sexta-feira, 30 de agosto de 2013

SANTARÉM CANTANDO 5



HINO DO “MOVIMENTO JOVEM CATÓLICO”
                                                            (MOJOC)
(Melodia de Wilson Fonseca)


Somos jovens dispostos à luta
Pela causa sublime do Bem!
O Evangelho nos mostra a conduta
Que o cristão verdadeiro mantém.

                        Refrão

   O “MOJOC” é querido e legal,
   Pois amor e coragem nos traz!
   Este grupo sustenta o ideal
   De pôr Cristo no mundo sem paz!

Ao combate, portanto, corramos,
Confiantes no auxílio divino!
Da Videira nós somos os ramos:
Com Jesus ninguém teme o destino!

   Porque somos irmãos nesta vida,
   Uns aos outros devemos amar.
   Juventude fraterna e unida
   Contra o mal há de sempre triunfar!
                          (10.5.1983)
(Emir Bemerguy)
Livro Aquarela Mocoronga

HINO DA “ESCOLA PRINCESA ISABEL”
(Melodia de Wilson Fonseca)

Minha Escola querida, és antiga
E famosa no meu Tapajós!
Eu te louvo, caríssima amiga,
Pondo amor e alegria na voz.

                        Refrão

   Cada aluno promete e deseja
   Aos estudos ser sempre fiel.
   Que o bom Deus abençoe e proteja
   Minha “escola Princesa Isabel”!

Sem esforço, não há, nesta vida,
Quem alcance o seu belo ideal.
O saber facilita a subida,
Dando luzes e força total.

   Ó crianças e jovens de agora,
   Muito espera de nós o país!
   Estudando, aguardemos a hora
   De fazer o Brasil bem feliz!
                           (8.4.1981)
(Emir Bemerguy)
 Livro Aquarela Mocoronga


HINO DO “COLÉGIO SÃO JOSÉ”
                                                              (ÓBIDOS)
(Melodia do autor)

Inspirados no belo ideal
De buscar os clarões da cultura,
Somos jovens em marcha triunfal,
De olhos postos na vida futura.

                        Estribilho

   Só com luta a vitória se alcança!
   Neste hino erguemos a voz,
   Implorando com fé e esperança:
   São José, rogai sempre por nós!
Sem as bênçãos dos céus, nós sabemos
Que, dos homens, nenhum se mantém.
No poder dos estudos nós cremos,
Mas sem Deus não triunfa ninguém!
                        (2.5.1979)
   (Emir Bemerguy)
     Livro Aquarela Mocoronga
ACRÓSTICO EM HOMENAGEM AO
“COLÉGIO ÁLVARO ADOLFO”

Ávidos somos todos de cultura
Lutando, com vigor, pelo saber.
Vontade firme e sã nos transfigura;
Assumimos os riscos do dever.
Recebe sempre o sol da glória pura
O jovem que se empenha por vencer

Aqui neste querido educandário
Dividimos prazeres e cansaços.
Olhando, sem temor, o itinerário,
Ligamos nossas almas, nossos braços,
Formando um grupo alegre e solidário,
Onde há incentivo mútuo nos fracassos.

Deus abençoa com infinito amor
A fibra do estudante lutador!

Somos cristãos e à luz da fé marchamos,
Impulsionados pelo ideal
Lindo e sublime com que nós sonhamos:
Varrer do mundo a injustiça e o mal!
Este Colégio é um farol potente,
Irradiando claridade e paz.
Rimos, felizes, comovidamente,
Agradecendo o bem que ele nos faz!
                      (6.8.1979)
   (Emir Bemerguy)
  Livro Aquarela Mocoronga


HINO DA “ESCOLA MORAES SARMENTO”
(Melodia de Wilson Fonseca)

Como o Sol torna clara a manhã,
O saber tira as trevas da mente.
Juventude vibrante e cristã,
Sendo cultos, iremos em frente!

                                   Estribilho

            Unidos de coração,
            Cantemos, neste momento,
            Louvores em gratidão
            À “Escola Moraes Sarmento”!

Estudemos, porém, na certeza
De que só a ciência não basta.
Não existe valor, nem nobreza
No saber que de Deus nos afasta.

            Quando a Lei do Senhor nós cumprimos,
            A cultura tem força e alegres partimos,
            Sendo luzes no mundo sofrido.
                        (10.1.1979)
                           (Emir Bemerguy)

                Livro Aquarela Mocoronga



HINO DO “GINÁSIO NORMAL SÃO JOSÉ”

(Da Colônia Agrícola de Santarém)
(Melodia do autor)


Nós buscamos na escola o saber,
Que é o supremo tesouro da vida.
Se estudarmos com fibra e prazer,
A vitória será conseguida.

                                   Refrão

                        Rogai sempre por nós ao Senhor,
                        Ó bondoso e fiel São José!
                        Que marchemos unidos no amor
                        E que, juntos, cresçamos na fé!

Recordemos a cada momento
A verdade profunda que há nisto;
Por brilhante que seja um talento,
É vazia a cultura sem Cristo!
                        (25.8.1977)
        (Emir Bemerguy)
            Livro Aquarela Mocoronga


HINO DO “GINÁSIO NORMAL IMACULADA CONCEIÇÃO”

(MONTE ALEGRE)
(Melodia de Wilson Fonseca)

Ao Ginásio nos traz o ideal!
De lutarmos com ânimo, até
Merecermos o prêmio total:
Os clarões da cultura e da fé!

                                   Refrão

                        Vêm do estudo os triunfos extremos!
                        Pondo todo o vigor juvenil
                        Nesta lida sublime, honraremos
                        Monte Alegre, o Pará e o Brasil!
Quando a luz do Evangelho ilumina
O saber que dos livros nos vem,
A ciência que aos jovens se ensina
Facilmente conduz para o bem.

                        Invocamos, de júbilo cheios,
                        Tuas bênçãos de Mãe, ó Maria!
                        A Jesus, nosso Irmão, os anseios
                        Desta Escola querida anuncia!
                                               (9.8.19770
   (Emir Bemerguy)
                   Livro Aquarela Mocoronga


HINO DA “ESCOLA MARIA VALMONT”

(Alenquer)
(Melodia de Wilson Fonseca)

Ninguém pode partir para as lutas
Sem as armas que vencem batalhas.
Da cultura as sublimes disputas
Ganharás se em teus livros trabalhas!

                                   Estribilho

Estudar sempre foi garantia
De triunfos e prêmios na vida.
Vai, colega! Peleja! Porfia!
E honrarás esta Escola querida!

Ela foi professora exemplar,
E Maria Valmont se chamou.
Cada jovem precisa rumar
Nas estradas que a Mestra indicou.

                        Como a chuva traz vida às plantinhas,
                        O saber põe nas almas a luz.
                        Estudante, garboso caminhas,
                        Pois um grande ideal te conduz!
                                               (28.5.1982)
   (Emir Bemerguy)
               Livro Aquarela Mocoronga

HINO DA FESTA DE NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

Padroeira de Prainha
(Melodia de Wilson Fonseca)
composto a pedido de Frei Danilo Rodrigues,

Vigário da cidade



Nestes dias de festa e arraial
Todo o povo, entre fogos, caminha,
A louvor nossa Mãe Virginal,
Protetora maior de Prainha!

                                               Estribilho

Com fervor filial imploramos
Que mais justos e santos nos faças!
Bem fiéis a Jesus nós sejamos,
Milagrosa Senhora das Graças!

Cativamos a Virgem Maria
Ao fazer o que Cristo nos diz.
Pondo amor nas tarefas do dia,
Todo mundo será mais feliz!
                        (24.4.1980)
        (Emir Bemerguy)
    Livro Aquarela Mocoronga


HINO A ALMEIRIM

(Melodia de Wilson Fonseca)
Composto por solicitação do Mobral daquele município

Ó Cidade-presépio tão bela,
Boa terra onde vimos a luz!
Este canto vibrante revela
O que em ti nos orgulha e seduz.
Sempre olhando, altaneira e de frente,
Esse tão grandioso Rio-mar,
Tu cativas, com graça, esta gente
Que, a uma voz, aqui vem te louvar!

                                   Refrão

                        De mãos dadas seguimos avante,
                        Tendo um só ideal nobre assim:
                        Construir, num esforço constante,
                        Teu futuro glorioso, Almeirim!

Com firmeza, defende, cultua
Teus esplêndidos bens culturais:
O folclore, as cantigas de rua,
Tradições e grandezas locais!
Tens riquezas e encantos, tens paz,
E ao teu povo, por isso, apaixonas!
Se soubermos honrar-te, serás
O Celeiro do Baixo Amazonas!
                        (5.3.1977)
   (Emir Bemerguy)
            Livro Aquarela Mocoronga

HINO A MONTE ALEGRE

Composto a pedido de amigos daquela cidade

Monte Alegre! Em teu chão rumorejam
Puras fontes com água termais.
Os teus filhos briosos pelejam
Para ver-te crescer sempre mais!

Estribilho

Gurupatuba das antigas lendas,
Ó Monte alegre luminosa e amada!
Em nossas almas sempre a chama acendas
Deste ardor cívico em qualquer jornada!

A Pecuária, a Lavoura, estas serras!
Tua gente operosa não cansa!
Terra amiga, entre flores, encerras
De teu povo a mais linda esperança!
                          (5.5.1976)
(Emir Bemerguy)
             Livro Aquarela Mocoronga


HINO DE ITAITUBA

(Melodia do autor)
Composto a pedido de Altamiro Silva, prefeito municipal, e oficializado através da Lei 789, de 29.12.1979

Os Garimpeiros, as Praias, a Fonte
E as Estradas que ligam lonjuras!
Num poema, ninguém há que conte
Toda a história das tuas formosuras.

                                               Refrão

Itaituba, ó “Cidade Pepita”,
Soberana do Rio Tapajós!
Cada dia tu és mais bonita,
Pondo orgulho e esperanças em nós.

Que o progresso, porém, não destrua
Teus valores que têm tradição!
Quando os prédios encobrem a Lua,
Cresce um povo, mas sem coração!

                        Ir em frente é dever e destino
                        Dos cristãos, das cidades até.
                        Mas só temos o apoio divino
                        Se o progresso andar junto com a Fé.
                                               (26.7.1978)
   (Emir Bemerguy)
                        Livro Aquarela Mocoronga


HINO DO CENTENÁRIO DO “TEATRO DA PAZ”

(Melodia de Vicente Fonseca)
Composto a pedido do Maestro Waldemar Henrique

Majestoso, há cem anos surgiste,
Começando jornada triunfal!
Teu renome aos decênios resiste:
Da cultura tu és catedral!
O teatro, as canções envolventes,
Os valores do espírito, enfim,
Sempre em ti se fizeram presentes,
E, por isso, cantamos assim:

                                   Estribilho

                        Nossa gente vibrando hoje está
                        E homenagens ruidosas te faz
                        Pelas glórias que deste ao Pará,
                        Ó querido “Teatro da Paz”!

Já brilharam na tua ribalta
Expoentes das artes no mundo!
Este povo, empolgado, te exalta,
Bendizendo labor tão fecundo!
Que prossigas no afã venerando
De cumprir teu destino invulgar,
O Pará no Brasil projetando
E louvores sem fim a ganhar!
                        (10.7.1977)
   (Emir Bemerguy)
            Livro Aquarela Mocoronga


HINO DO SINDICATO DOS ESTIVADORES DE SANTARÉM

(Melodia de Wilson Fonseca)

Sobre os ombros erguemos, no cais,
Tantos fardos, em lida viril,
Para vermos crescer sempre mais
O progresso no nosso Brasil!

                                   Estribilho

A união faz a força, de fato!
Procuremos manter sempre viva,
Como irmãos, juntos num Sindicato,
A amizade entre os Homens da Estiva!
O trabalho, qualquer que ele seja,
Enobrece o operário que o faz.
Prossigamos na dura peleja,
Pelos Filhos, por Deus, pela Paz!
                        (15.4.1977)
   (Emir Bemerguy)
             Livro Aquarela Mocoronga


HINO DA “ESCOLA JANELINHA DO SABER”

(Melodia de Wilson Fonseca)

Vento...Sol...Manhã bonita...
Alegria em cada olhar...
Vamos todos, coleguinhas,
A cultura conquistar!

                                   Estribilho

                        É brincando que aprendemos!
                        Estudamos com prazer
                        Nesta Escola tão querida:
                        “Janelinha do Saber”!

Se quisermos ser doutores,
Comecemos a batalha,
Pois nas lutas desta vida
Só triunfa quem trabalha!
                        (13.1.1977)
   (Emir Bemerguy)
            Livro Aquarela Mocoronga


HINO DO “SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA”

                                                                                                          (SESI)
(Melodia de Wilson Fonseca)

Todos somos ao SESI integrados,
E viemos aqui receber
Três direitos humanos sagrados:
A Cultura, a Saúde e o Lazer!

                                   Estribilho

                        Viva o heróico proletário,
                        De trabalho tão fecundo,
                        Pois é o braço do operário
                        A alavanca que ergue o mundo!

De mãos dadas, em marcha batida,
Nos labores do parque fabril,
O ideal que buscamos na vida
É a grandeza do nosso Brasil!
                         (14.11.1975)
     (Emir Bemerguy)
              Livro Aquarela Mocoronga


HINO DAS OLIMPÍADAS DO “COLÉGIO DOM AMANDO”

(Melodia de Vicente Fonseca)
Composto a pedido de Frei Danilo Rodrigues

Os olímpicos jogos são nobres,
Ao espírito trazem prazer.
Quando neles te lanças, descobres
Que aprendeste a ganhar e a perder!

                                   Refrão

                        Olimpíadas! Vamos, colegas,
                        Dizer juntos, com as almas vibrando
                        Na emoção das ardentes refregas:
                        - Somos gratos a ti, “Dom Amando”!

Disputemos na praça de esportes
Os troféus que nos enchem de glória,
Conservando o sorriso dos fortes
Na derrota ou no ardor da vitória!

                        Competir nos estádios faz bem,
                        Dando à vida grandeza e alegria,
                        Pois o jovem comprova que tem
                        Corpo são numa alma sadia!
                                               (22.3.19750
(Emir Bemerguy)
                  Livro Aquarela Mocoronga


HINO DO “CORAL DE SANTARÉM”

(Melodia de Wilson Fonseca)
O harmonioso grupo vocal fez sua gloriosa estréia por ocasião do 2º Congresso Eucarístico de Santarém

Foi a semente do Coral jogada
Primeiro aos céus para cair nas almas,
Em triunfal celebração sagrada,
Quando se ouviam orações e palmas!

                                   Refrão

Nas vozes pomos todo o ardente afeto
Que os corações nos acelera quando
Enaltecemos o torrão dileto!
Aqui nós somos Santarém cantando!

Queremos hoje repartir ternuras,
Belezas nossas que as canções refletem,
Dando a vocês as alegrias puras
Que os devaneios musicais prometem.
                                   (16.3.1975)
        (Emir Bemerguy)
                Livro Aquarela Mocoronga


HINO DO “COLÉGIO FREI AMBRÓSIO”

(Melodia de Wilson Fonseca)

Debruçado na encosta de um monte,
Dominando esse azul Tapajós,
És um templo do ensino, és a fonte
De onde jorra o saber sobre nós.

                                   Estribilho

                        “Frei Ambrósio” ! uma escola exemplar,
                        Do saudoso patrono a cumprir
                        O ideal luminoso de dar
                        Às crianças um belo porvir.

Santarém, orgulhosa de ti,
Tuas glórias bem alto proclama!
Deus permita brilhar sempre aqui
Do civismo esta esplêndida chama!
                                   (19.3.19700
       (Emir Bemerguy)
               Livro Aquarela Mocoronga
 

MAESTROS DE PLANTÃO

À Família Fonseca, celeiro de talentos
musicais em Santarém.

É de assombrar o que se vê por lá:
Tudo se toca – do piano à flauta,
Do acordeon ao simples afuxê.
Qualquer que seja o som, ele entra logo em “pauta”:
O clarinete, berimbau, trombone,
O violino, a gaita, o xilofone!
O curió da casa canta em mi bemol;
“Swing”, o cachorrinho sempre late em sol...
O galo do quintal sabe Chopin de cor
E até o pato grasna em lindo ré menor!
A lavadeira esfrega olhando as partituras
E a cozinheira é mestra em ópera e frituras...
A plebe rude fica embasbacada,
Pois, nesse time, quem não toca nada,
Entende de violão e bandolim!
Não sei se existe nesta pátria amada
Outra família harmoniosa assim!

E há certos fatos sobrenaturais.
Em três versinhos, tudo a gente diz:
Um deles chega a executar no órgão
Dificílimas peças musicais
Usando só o queixo e a ponta do nariz!...
Mas um segredo aqui eu testemunho:
Toda essa turma, ao pôr os pés no mundo,
Abriu o berrador já de violão em punho!
Por isso, ó meu Fonseca, é que usas e abusas
Das fusas, semifusas(para mim, confusas...)
E Santarém querida mimoseias
Com pentagramas, clavas e colcheias!
A qualquer hora, nesse alegre lar,
Os sons viajam, ternos, pelo ar...

A todo instante escuta-se canção,
Pois há sempre um Maestro de plantão!
Enfim, essa Família é bem mais afinada
Do que tentei dizer na infame versalhada!
                                   (Emir Bemerguy)
              Livro Aquarela Mocoronga